Sábado, 27 de Novembro de 2021
29°

Pancada de chuva

Brasília - DF

Brasil “Maioria se consider

“Maioria se considera traída por Bolsonaro”, diz líder caminhoneiro

.

17/10/2021 às 22h42
Por: DILMAN LIMA
Compartilhe:
“Maioria se considera traída por Bolsonaro”, diz líder caminhoneiro

Carlos Alberto Litti Dahmer, diretor da CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística), afirmou que “70% da categoria acreditou nas propostas do governo e se considera traída por [Bolsonaro] não ter cumprido”. A declaração foi feita neste domingo (17.out.2021) em entrevista ao Poder360.

A CNTTL e outras entidades que representam os caminhoneiros deram duas semanas para que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) atenda as reivindicações da categoria. Caso contrário, organizarão uma greve a partir de 1º de novembro.

Entre as demandas estão redução do preço do diesel e a revisão da política de preços da Petrobras.

O Ministério da Infraestrutura não irá se pronunciar neste domingo sobre o tema. Integrantes da pasta avaliam que as lideranças que chamaram o evento não tem capilaridade dentro da categoria e que caminhoneiros autônomos não devem aderir à greve.

Litti Dahmer disse que a pauta do movimento não é política, mas econômica. “Nós estamos a favor da categoria. É que às vezes se confundem que estar a favor da categoria é estar contra governo”, afirmou.

O diretor da CNTTL disse haver grupos de caminhoneiros contrários à greve. “Não é a 1ª vez que não concordam”, declarou. Afirmou que o governo tenta dividir a categoria para evitar que motorista participem da paralisação.

Mas a necessidade e a urgência daquilo que estamos pedindo vai ser maior que esses movimentos que alguns em sua minoria vão tentar fazer”, disse. A greve é planejada durante altas no preço do diesel, que está sendo vendido a R$ 4,96 por litro, segundo dados até 9 de outubro da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

Litti Dahmer declarou que a paralisação, caso realizada, será por causa das promessas não cumpridas pelo governo Bolsonaro. Contudo, disse que o movimento não é a favor do impeachment de Bolsonaro.

“Nós não somos favoráveis de forma alguma ao golpe. Foi eleito, vai cumprir o mandato. Se bem ou por mal, são as urnas que vão definir”, disse o líder caminhoneiro.

Ele afirmou que durante o governo Bolsonaro “só houve retrocessos” nas reivindicações dos caminhoneiros. Avaliou que a situação está pior que em 2018, quando a categoria organizou uma de suas maiores greves, no governo Temer.

Já se passaram 3 anos de mandato desse governo e nada foi feito, a não ser tentar retirar o que já foi conquistado”, afirmou.

O diretor da CNTTL disse que o movimento poderá negociar com governadores durante a greve, mas atribuiu a principal responsabilidade pela alta nos preços dos combustíveis ao presidente. Bolsonaro culpa os Estados, afirmando que governadores poderiam abaixar o percentual do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) para diminuir o preço do diesel.

A CNTTL participou de encontro com o ex-preside Lula no começo de outubro. Litti Dahmer, no entanto, disse que a entidade não está buscando apoio político. Afirmou que “no momento oportuno será o momento de fazer conversas” ligadas às eleições de 2022.

O líder caminhoneiro também afirmou que caminhões com insumos médicos ou jornais, ambulâncias, carros de passeio ou veículos dos Correios poderão passar pelos bloqueios da greve. “Se nós estamos lutando para nossa sobrevivência, nós não podemos restringir a vida de ninguém”.

Leia a íntegra da entrevista do diretor da CNTTL (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística) ao Poder360:

 

Poder360: O movimento dos caminhoneiros está unido para esta greve ou há grupos divergentes?

Carlos Alberto Litti Dahmer:

Vai haver sim. Reação há de entidades. Não é a 1ª vez que não concordam. Nunca concordaram com movimentos que sejam contrários a qualquer tipo de governo. Mas a gente não está aqui contrário a governos. Nós estamos a favor da categoria. É que às vezes se confundem de que estar a favor da categoria é estar contra governo. Não. Nós estamos buscando aquilo de direito já conquistamos através de legislação e que o governo, seja ele qual for, não tem colocado em prática. Então chega a momentos extremos. E nesse governo já se passaram 3 anos de mandato e nada foi feito, a não ser tentar retirar o que já foi conquistado. Aquilo que a duras penas foi tentando se buscar para a categoria, esse governo vem tentando deslegitimar. Inclusive, tentando dividir para confundir e não ampliar aquela luta que a gente precisa estabelecer. Então vai ter entidades e caminhoneiros que não enxergam que o movimento não é político –o movimento é econômico e de categoria. Mas a necessidade e a urgência daquilo que estamos pedindo vai ser maior que  esses movimentos de tentativa de desconstrução que alguns em sua minoria vão tentar fazer.

 

Nas conversas durante a última semana, o governo tentou acolher as demandas do movimento?Essa pauta que está colocada é extensa, já mostra por ser extensa  a dificuldade que a categoria vive. E ela é dividida em partes, como o Piso Mínimo de Frete, que não compete ao governo, nem ao Legislativo, mas compete ao Supremo Tribunal Federal. Já se passaram também 3 anos, está na hora de pautar a definição.

Mas há pautas que tem a ver com o governo federal, como o preço [do combustível] e a política que está sendo adotada pela Petrobras. A política de preços interfere não só para nós caminhoneiros, interfere para a sociedade brasileira. Todo o povo brasileiro está pagando uma conta de uma política equivocada. Porque o preço de paridade internacional, levando o barril no preço internacional, não diz com a realidade daquilo para que foi criada a Petrobras por Getúlio Vargas, ou seja, ter uma função social. Governos passam, mas a Petrobras deve permanecer. É um crime acabar com a maior empresa pública que nós brasileiros temos.

O movimento negociará com governadores?

Também é preciso, mas isso pode ser construído ainda ao longo da manifestação, ao longo do processo, principalmente com quem tem vínculo com o governo federal. Mas a responsabilidade tanto é do governo federal, e em menor escala dos governos estaduais, e em menor escala ainda dos governos municipais. Mas cada um deve ser cobrado segundo suas responsabilidades.

Um momento que você cria o ambiente de paralisação nacional, você cria possibilidades também de dentro dos Estados chamar a responsabilidade também para o governador. Mas a responsabilidade principal da política econômica da Petrobras é do governo federal.

 

Não houve abertura do governo para atender essas demandas nas últimas semanas?Ao contrário, o governo federal só abre espaço para quem tem concordância com sua política e seu modo de fazer política. Qualquer entidade que for contrária ao governo federal está fora. Esse governo não consegue dialogar com pensamentos diferentes. É por isso que se chega ao ponto de se fazer uma chamada nacional [pela greve], que é ruim para todo mundo. Não tem ninguém que saia vencedor de um movimento extremista como está sendo proposto. Infelizmente, é a única forma que existe porque todas as [tentativas] anteriores não estão sendo escutadas. Então só resta aquilo que é legítimo e é permitido pela Constituição que é o trabalhador cruzar os braços e não seguir com o seu trabalho.

Os senhores avaliam que será possível algum diálogo nas próximas duas semanas para evitar a greve?Isso não depende da gente, essa pergunta deve ser feito ao ministro Tarcísio e para o presidente Bolsonaro. Provavelmente daqui mais uma semana teremos um novo aumento nos combustíveis. O que já é insustentável, vai ser insuportável. Quem pode resolver isso não está sob nosso comando. É sob o comando do Judiciário e do governo. Em 2018 nós ganhamos tudo e a partir de 2019 não levamos nada.

Os senhores tiveram encontros com o presidente Lula. Numa eventual eleição dele, avaliam que seria mais fácil o diálogo? Já há algum acordo?Nenhum. Nós não estamos discutindo política. Nós não estamos buscando apoios políticos, nem no caso com o governo Bolsonaro –onde 70% dessa categoria acreditou nas propostas do governo e se considera traída por [ele] não ter cumprido– e também não está apostando em conversas com outros movimentos. A pauta eleitoral será estabelecida e no momento oportuno será o momento de fazer conversa com todos os movimentos, mas não é esse [o momento]. A pauta não é política, ela é econômica e quem deve responder por ela é o atual governo. Não há previsões de conversas futuras porque isso faz parte de uma agenda política que não está colocado para nós caminhoneiros. Nós não somos favoráveis de forma alguma ao golpe. Foi eleito, vai cumprir o mandato. Se bem ou por mal, são as urnas que vão definir. Esse movimento de greve se dá em cima daquilo que não foi cumprido das promessas que foram feitas pelo governo Bolsonaro.

O governo Bolsonaro teve uma prioridade menor às demandas dos caminhoneiros do que em outros governos?Eu acredito que houve vários avanços e vários retrocessos em cada período de governo. Isso é uma luta constante. Houve avanços e retrocessos no governo FHC, Lula, Dilma e Temer. E posso lhe dizer com toda a certeza que só houve retrocessos no governo Bolsonaro.

É pior do que em 2018, com o governo Temer?A situação do caminhoneiro hoje se a gente pegar nos dados comparativos em maio de 2018 –quando o Brasil conheceu a maior movimentação de categoria que foi a greve dos caminhoneiros– o óleo diesel era R$ 2,83. Hoje, passado 3 anos, o óleo beira a casa dos R$ 5,00. Dá para ter uma ideia daquilo que chega a ser 50% da planilha de custo do caminhoneiro. É como se você ao sair para trabalhar tivesse 50% do seu ganho mensal com  transporte, com a forma para chegar ao seu trabalho.

Isso nos unifica, é uma pauta para além dos caminhoneiros. Ter uma pauta que é nacional de defesa da Petrobras e do preço do combustível. Isso unifica a todos.

Caminhões que estarão transportando insumos médicos poderão passar pelos bloqueios da greve?Liberado como sempre. Não tem nenhum movimento que eu participo desde 1999 em que houve bloqueio no que se trata de hospitais, de Correios ou jornais, que é a informação, da chegada do material que os Correios distribui e de insumos hospitalares para salvar a vida. Se nós estamos lutando para nossa sobrevivência, nós não podemos restringir a vida de ninguém. Ambulância e carros de passeio estão liberados.

Em 2018, algumas redes hospitalares chegaram a ficar desabastecidas. Algo será feito desta vez para evitar isso?Não tem como determinar que uma situação possa acontecer. É difícil te responder isso, situações individuais sempre acontecem. Por exemplo, na última paralisação um companheiro nosso foi atropelado e morreu por conta de um caminhoneiro que passou por ele. Extremamente lamentável quando foge do controle. Quando a gente vai para um movimento extremo, não se sabe como ele finaliza. Sabe como ele começa, mas não sabe como termina.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Brasília - DF Atualizado às 13h40 - Fonte: ClimaTempo
29°
Pancada de chuva

Mín. 20° Máx. 28°

Dom 26°C 19°C
Seg 26°C 19°C
Ter 26°C 18°C
Qua 24°C 19°C
Qui 26°C 18°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes